Aumento da demanda de GNL na América do Sul em meio a uma mistura de seca, fatores de mercado

Após dois anos de redução da demanda de GNL nas principais economias sul-americanas, a maré mudou este ano.

Mesmo com a primeira carga de GNL chegando esta semana na Baja California Sur do México, o país viu de fato uma forte desaceleração nas importações de GNL em seus terminais de Manzanillo e Altamira este ano. Essa desaceleração ocorre porque cerca de 13 bilhões de pés cúbicos por dia de capacidade de importação de dutos dos Estados Unidos agora está online.

No sul, porém, a demanda está crescendo, principalmente devido a fatores de mercado associados à pior seca do Brasil em mais de um século.

No acumulado do ano, as importações de GNL cresceram 60% no Brasil, segundo a consultoria Timera Energy. Parte dessa nova demanda está puxando a carga do Atlântico para longe da Europa, contribuindo para Os preços da energia na Europa disparam.

A América do Sul com o Oriente Médio normalmente responde por cerca de 4% do comércio global de gás. No entanto, eles estão atualmente consumindo o dobro de GNL do que entregue, de acordo com analistas da Vortexa. Enquanto isso, na América Latina, os dados da NGI mostram que as taxas de entrega estão acima de US $ 9,00 / MMBtu.

De acordo com os cálculos da NGI, este ano a América Latina foi responsável por 16% de todos os embarques de GNL com origem nos Estados Unidos. Um total de 54 remessas dos EUA foram para a América Latina este ano. O Brasil foi o maior com 20, seguido pelo Chile com 13,5. No entanto, como o inverno do Cone Sul esquenta em junho, esses números devem aumentar.

READ  As emissões de combustíveis fósseis correm o risco de exceder os níveis pré-cobertos | Ambiente

A matriz energética do Brasil é altamente dependente da energia hidrelétrica e quando os reservatórios secam, eles dependem de fontes alternativas de energia. Novas regras no mercado de gás que permitiram a competição, juntamente com a construção de uma infraestrutura forte, também facilitaram a demanda por GNL no Brasil.

“O grande começo de demanda na região é o Brasil”, disse Ignacio Rooney, diretor da Wood Mackenzie. GPI do México da NGI. Mora em Buenos Aires. “Com a liberalização dos mercados de gás, bem como a construção da infraestrutura para receber GNL, esta foi a mudança mais significativa”.

No entanto, Rooney alertou que os ganhos devem ser vistos sob a perspectiva de menor demanda em 2020 devido ao coronavírus.

[Know More: View NGI’s U.S. LNG Export Tracker.]

Existem cerca de 10 projetos de regaseificação gás-a-gás em vários estágios de desenvolvimento no Brasil, principalmente no sul, de acordo com a corretora de navios Poten & Partners.

A consultoria sul-americana BRG Energy & Climate disse que a geração de energia a gás natural no Brasil pode crescer 20 gigawatts até 2040, passando de 9% para 15% na matriz energética. A liberalização do mercado também vai acabar com o monopólio que a estatal Petróleo Brasileiro SA, também conhecida como Petrobras, tem no mercado de gás até agora.

A Argentina espera aumentar suas importações de GNL neste ano em pelo menos 10 cargas, após contratar uma segunda opção de importação para GNL flutuante. A unidade flutuante Exemplar tem capacidade de armazenamento de 150,9 mil metros cúbicos e está alugada para o inverno de 2021 na Argentina.

Stephen Cobos, CEO da Exemplar, disse que o sistema flutuante é visto como proporcionando “confiabilidade e estabilidade ao sistema de energia do país”. GPI do México da NGI. Ele disse que o contrato pode durar até setembro.

READ  A Aliança Empreendedora lançou uma plataforma online que oferece formação gratuita a imigrantes que pretendam iniciar novas missões em Portugal

“Esperamos um inverno frio e alta demanda”, disse Cobos. “Fizemos as contas e entendo que a economia em termos de não uso de combustíveis líquidos neste inverno com minhas duas fábricas de GNL é de US $ 512 milhões.”

No inverno passado, a Integración Energética Argentina, mais conhecida como Ieasa, comprou 28 cargas de inverno de GNL para atender à demanda. O número de remessas deve aumentar para pelo menos 37 no próximo inverno do Cone Sul, à medida que a demanda aumenta e a produção doméstica continua caindo em relação aos níveis pré-coronavírus.

O Ieasa recebeu na semana passada propostas para uma licitação adicional para oito cargas de GNL para entrega em agosto-setembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *