Análise: As promessas da indústria da carne sobre o desmatamento se encaixam?

A JBS disse que a verificação dos dados em sua plataforma pecuária transparente será realizada pela Federação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) – mas apenas Quando autorizado pelo respectivo produto. CNA é a Associação Nacional de Criadores de Gado Defende os interesses dos grandes agricultores. A agência de notícias do Chipre se recusou a responder às perguntas do Repórter Brasil sobre como verificar fornecedores e garantir a objetividade.

A grande maioria se recusa a fornecer essas informações; É como perguntar quanto dinheiro tem na conta bancária deles

No entanto, algumas pessoas do setor apontam que os pecuaristas podem não se sentir à vontade com a ideia de fornecer informações sobre seu gado e seus fornecedores aos sistemas das gigantes brasileiras da carne bovina.

Setenta por cento dos fornecedores não aderiram [these platforms]Hélio Dias de Sousa, Presidente da FIPARONE, Federação da Agricultura e Pecuária de Rondônia, que O terceiro maior rebanho bovino da Amazônia.

“A grande maioria se recusa a fornecer essa informação, é como perguntar quanto dinheiro tem na conta bancária”, disse o especialista em pecuária Guilherme Minssen, da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Pará (FIPA). negociando preços. Eles sabem, acrescentou, que “quando a oferta é maior, os fabricantes de carne pressionam por preços mais baixos”.

Os produtores de Mato Grosso – o estado brasileiro com maior população pecuária – têm as mesmas preocupações: Amarildo Meruti é pecuarista há mais de 30 anos na região de Cáceres. Foi um dos fornecedores da JBS a utilizar o Green Offices da JBS, iniciativa lançada para dar suporte gratuito aos fornecedores para melhorar o desempenho ambiental de suas propriedades. Ele parece estar elogiando o desempenho de sustentabilidade da empresa em vídeo institucional É publicado no site Pecuária Transparente. Mas Merotti admitiu à Repórter Brasil que ainda não registrou seus fornecedores na plataforma: “Os procedimentos ainda não estão claros”, disse.

READ  Tamanho, crescimento e previsão do mercado de cera de palma

Dúvidas sobre vigilância

Além das informações fornecidas pelos produtores ao vivo, Marfrig e Minerva informaram que utilizarão uma ferramenta chamada Facebookque possui banco de dados próprio para considerar os perfis ambientais dos produtores indiretos.

use a ferramenta guias de cruzamento de animais (GTA) e documentos oficiais apresentados pelos proprietários de fazendas registro de ambiente rural (Frases).

Pedro Borner, diretor da Amigos da Terra-Brasil Amazônia, que faz parte do grupo de trabalho de fornecedores indiretos, junto com frigoríficos, disse.

Mas um estudo recente mostrou exatamente que 1% dos registros do CAR são verificados no estado do Amazonas e verificado pelas autoridades. Para os 99% restantes, apenas a palavra agricultor importa. Em outras palavras, desde que o agricultor apresente um formulário informando que cumpriu as regras de desmatamento do Brasil, ele pode comprar e vender gado ou fazer empréstimos bancários, independentemente da situação da terra. mês passado, um estudar pelo Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia (IPAM) mostrou que 65% do desmatamento em florestas públicas não identificadas – regiões da Amazônia altamente vulneráveis ​​à grilagem – ocorreu em terras onde havia registro fraudulento do CAR.

Enquanto isso, os Guias de Trânsito Animal (GTAs) podem ser preenchidos manualmente, tornando-os vulneráveis ​​a fraudes. Quando o proprietário do gado altera o registro do gado para ocultar sua origem, isso é conhecido como “lavando gado”.

“Não está claro como as regulamentações de frigoríficos impedirão que um produto cuja colocação seja legal na cadeia de suprimentos lave o gado de fazendas informais”, disse Pereira, da Amazon.

No entanto, os GTAs são um recurso importante para rastrear o gado ao longo da cadeia de suprimentos. Mas não está disponível publicamente de forma transparente, embora Ministério Público Federal recomendado Ao governo em 2015 que deveriam ser, e apresentou um arquivo ação judicial Para forçar a divulgação de dados de trânsito de animais.

READ  Expo 2020 dá um novo impulso às relações comerciais entre os Emirados Árabes Unidos e o Brasil

“Os governos dizem que não podem revelar informações sobre o gado, mas ao mesmo tempo a Amazônia está sendo destruída”, diz Riccardo Negrini, procurador federal do estado do Pará.

Se o monitoramento continuar como está agora [based on GTAs]Esses dados devem ser totalmente abertos para que as fontes dos animais possam ser analisadas desde o nascimento.”

A Marfrig reconhece que os procedimentos de verificação podem ser “fraudulentos”. Minerva, que se comprometeu a eliminar o desmatamento em sua cadeia de suprimentos em toda a América do Sul Até 2030 também reconhecer: “Como a tecnologia depende do acesso a GTAs, implementá-la de maneira ampla e atualizada apresenta um desafio significativo que pode limitar a verificação.”

Sem promessas de banir permanentemente o desmatamento

As Três Grandes empresas frigoríficas estão se concentrando em maneiras de ajudar os produtores não conformes a melhorar, em vez de bani-los permanentemente após um estado de desmatamento.

A JBS abriu 15 “escritórios verdes” que ajudam os fornecedores indiretos a “produzir de acordo com os padrões sociais e ambientais da empresa”. JBS diz que até o final de 2025 estará pronto Os fornecedores diretos serão excluídos que não “incentivava a regularização de seus fornecedores”.

A Minerva se compromete a aplicar a tecnologia para “identificar e priorizar áreas onde há risco de engajar e apoiar os produtores em suas ações corretivas”, sem dar mais detalhes.

A Marfrig disse que quando um problema socioambiental é identificado, como trabalho forçado ou desmatamento, o recurso é bloqueado e encaminhado ao Marfrig Club, que fornece . assistência técnica melhorar os padrões. Isso significa que os fornecedores podem ser desbanidos e legalizados no futuro.

A Marfrig disse que trabalhar para ajudar as fazendas informais é um pilar do seu plano Marfrig Green+.

READ  Que tipo de acionistas a Wilson Sons Holdings Brasil SA (BVMF: PORT3) possui?

“A simples exclusão dos produtores, muitos deles pequenos e sem acesso a tecnologia e crédito, não é a resposta para os problemas da Amazônia e de outros biomas. Esse pode ser o caminho mais fácil – mas não achamos é o mais eficiente e equitativo social e ambientalmente”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.