América Latina: As fronteiras do investimento estão chegando hoje | Foley & Lardner LLP

O investimento de capital de risco na América Latina aumentou nos últimos anos para níveis sem precedentes de US $ 4,3 bilhões em 2019 para US $ 11,5 bilhões em 2021, incluindo estimativas do terceiro trimestre no último relatório da Associação de Investimento de Capital Privado da América Latina (LAVCA).

O mais recente relatório abrangente de 200 páginas do Atlantico sobre a América Latina estima que um total de US $ 18,6 bilhões fluirão para a região até o final de 2021, um aumento impressionante de 250% nos investimentos em comparação com os US $ 5,3 bilhões publicados em 2020.

A América Latina tem visto um boom de empresas de tecnologia, com o número e o valor dos unicórnios quase dobrando a cada ano. Startups como Nubank no Brasil, Ebanx e Unico, Kavak e Bitso no México, Mercado Libre na Argentina e Rappi na Colômbia são alguns dos mais de 20 unicórnios latino-americanos no terceiro trimestre de 2021, alguns dos quais atingiram a casa decimal.

Brasil e México representam quase 50% do PIB da América Latina, e não é surpresa que esses dois países estejam classificados como as principais prioridades para investidores de capital de risco.

Olhando o PIB em comparação com a capitalização de mercado, as empresas de tecnologia da região respondem por 3,4% da capitalização de mercado global total neste setor. Dessa forma, as empresas de tecnologia da América Latina têm grande potencial de crescimento em áreas como serviços financeiros, e-commerce, mobilidade, logística e saúde.

A agricultura e os serviços financeiros são pilares históricos da economia latino-americana que está sendo transformada pela tecnologia.

Hoje, a agricultura brasileira é a maior fornecedora de bens para o mundo e responde por 21% do PIB do país. A tecnologia ajuda a aumentar a eficiência neste setor. A tecnologia de agricultura de precisão permite que os agricultores produzam mais com menos recursos.

READ  Você acha que a vacinação com Covid demora muito? O calendário global de vacinas estendido até 2023!

Com a desregulamentação dos bancos em muitos países, as empresas de fintech em 2020 representaram 40% de todo o investimento de capital na região. O boom da fintech não mostra sinais de desaceleração.

Essas são algumas das razões pelas quais grandes fundos de investimento globais alocam uma parte significativa de seus recursos para a região. Depois de injetar US $ 5,0 bilhões na América Latina até meados de 2021, o grupo de investimentos japonês SoftBank anunciou que adicionará outros US $ 3,0 bilhões a serem distribuídos por meio de seu segundo Fundo Latino-Americano. Outro capital de risco global e local certamente seguirá o exemplo. Mas as expectativas de liquidez e crescimento não significam um resultado bem-sucedido.

Existem considerações políticas, econômicas e jurídicas herdadas na avaliação de um investimento ou na alocação de mais dinheiro para a área. Muitos países latino-americanos, como o Chile, passaram por algum tipo de turbulência política nos últimos anos. A Argentina mergulhou em outra crise econômica que obrigou o governo a impor restrições às saídas de capital. O Brasil está testemunhando um retorno à inflação galopante, o que levará seu banco central a elevar as taxas de juros aos níveis anteriores a 2017.

Embora a análise política e econômica da região seja fundamental para a tomada de decisão de investimento, os riscos nas jurisdições latino-americanas devem ser avaliados com cuidado.

Não é incomum que os documentos da transação sejam ignorados pelos tribunais locais, interrompendo a vontade das partes em favor da política nacional ou, ainda assim, mudanças legislativas precipitadas afetem os investimentos que não são cuidadosamente protegidos.

A estruturação adequada de uma transação na América Latina requer conhecimento do mercado e dos países envolvidos, experiência prática de negociação em tais jurisdições e especialização na criação de alternativas para criar o ambiente jurídico mais seguro (atual e futuro) possível para o investidor e a empresa investidora.

READ  opinião | Nem o Bolsonaro conseguiu quebrar o amor dos brasileiros por vacinas

Não há dúvida de que a América Latina é a próxima frente de investimentos na maioria dos setores da economia, desde que cuidadosamente planejados e devidamente protegidos.

[View source.]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *