Alice Braga fala sobre o poder de sobrevivência de ‘City Of God’, 20 anos após as filmagens do clássico crime brasileiro

Cidade do Senhor Eu era Alice BragaO primeiro filme. Seu primeiro trabalho como ator poderia ficar muito melhor do que isso? dirigido por Fernando Meirelles E a Katja LundE a Cidade do Senhor Ainda uma imagem especial, crua e assombrosa da vida no subúrbio do crime da Cidade de Deus, no Rio de Janeiro. Ninguém esquece de vê-lo pela primeira vez.

E 20 anos depois de filmado, Braga ainda o vê como uma experiência mágica que continua a inspirar e a cinéfilos.

Cidade do Senhor É um drama elegante que não poderia parecer mais real, completo com um elenco sem experiência prévia de atuação. Personagens, ruas, lutas – tudo é puro. adaptação Paulo LenteO romance retrata a vida no subúrbio da Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, ao longo dos anos, pois mostra dois amigos de infância seguindo caminhos diferentes. É muito mais do que isso, no entanto. Cada personagem, cada pessoa no fundo, tem sua própria história.

Depois de duas décadas em produção, Braga fica feliz em contemplar o filme. “Nós atiramos Cidade do Senhor Julho de 2001. “Então, enquanto falamos, já se passaram 20 anos desde que foi filmado. Acho que é um filme que quebrou uma barreira. O filme não envelheceu, e o filme ainda é uma referência. Acho muito bonito e muito poderoso. Para mim, foi como mudar a vida, mesmo que seja um personagem pequeno e tudo isso. Foi meu primeiro filme, e foi minha primeira conexão com a atuação em um longa-metragem.”

É um filme que muda a vida de seu público também. Apenas um dia antes de falar com Braga, um produtor me disse que foi um dos filmes que a fez querer fazer filmes. Agora, ela faz. Anos atrás, quando o filme foi lançado, lembro de pessoas que conheci em Baltimore, Maryland, ligadas a esse filme em um nível tão pessoal.

READ  Sem Neymar, o Brasil está testando suas opções contra a Venezuela

O filme é específico para sua localização, mas viaja. Liga as pessoas ao seu núcleo, o que é bonito para Braga. Ela quer que o filme continue a inspirar também:

“Sempre foi especial por isso, porque foi meu primeiro contato com a atuação em um longa-metragem. E em um filme como esse, que abriu muitas portas, não só para mim como atriz, mas também para o cinema brasileiro, e para um grupo de jovens que assistia a filmes em todo o mundo. O mundo para se inspirar. Para contar suas próprias histórias, contar suas histórias de uma perspectiva diferente como nunca antes. Então, se você é alguém de Baltimore, Maryland e todos disso, pegue sua câmera, grave seu filme e fotografe com sua perspectiva, porque não há perspectiva certa ou errada. Cidade do Senhor trouxe. Para mim como atriz, ela me trouxe muito.”

Quando a maioria de nós olha para nossos empregos na adolescência, não podemos afirmar que estrelamos uma obra-prima. Por outro lado, Braga pode. “Foi fantástico!” Ela disse. “Eu tinha dezoito anos, estava no meu último ano do ensino médio. Você pode imaginar? Foi mágico.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.