Alentejo Tech – Portugal News

Já começaram as obras de expansão do Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo (PACT), em Évora, ajudando a dinamizar a tecnologia e a inovação na região.

Em resposta a uma pergunta da Lusa, o CEO do parque, Soumodip Sarkar, revelou que a construção do primeiro edifício da segunda fase do PACT já está em curso.

“Já iniciamos a construção de um edifício”, disse Sumodeep Sarkar, que também é vice-reitor da Universidade de Évora (UÉ), mas “oficialmente, vamos lançar a primeira pedra no dia 13 de dezembro”.

Somodeep Sarkar referiu que o projecto, que tem a assinatura do arquitecto Carrillo da Graça, tem uma área de 6.100 metros quadrados e prevê a construção de quatro novos edifícios, representando um investimento de “cerca de 9 milhões de euros”.

As novas instalações estarão localizadas em terrenos adjacentes ao edifício PACT existente, inaugurado em setembro de 2015, após um investimento de € 3,6 milhões.

Segundo Smodeep Sarkar, a primeira fase do PACT “já é um sucesso”, pois “não há espaço para mais negócios” e o parque continua a “receber pedidos” de outros interessados ​​em “entrar”.

Agora, como parte da expansão, “metade do prédio” em construção “já está reservado para uma empresa”, e este projeto “será concluído em maio do próximo ano”.

Quanto aos outros três edifícios, têm fontes de financiamento distintas e as obras terão início “em janeiro do próximo ano”.

O funcionário disse acreditar que em “meados de 2023” o PACT já terá três prédios.

As novas instalações vão dedicar-se a quatro áreas, uma das quais é a aviação, devido à presença em Évora de empresas como a Embraer e a Mecachrome e ao facto de o Alentejo se querer afirmar como um “bloco” neste sector, com investimentos em outros municípios da região.

READ  Dr. Jitendra parte para Portugal para representar a Índia na Conferência das Nações Unidas - Jammu e Caxemira Últimas Notícias | turismo

“Outra área é a saúde digital”, disse Sumodeep Sarkar, com “a construção de um novo hospital e a possibilidade de uma escola médica em Évora”.

Destacando o potencial do Alentejo, que oferece, por exemplo, um “custo de vida mais barato” e “uma qualidade de vida completamente diferente” do que em Lisboa, o responsável disse que o PACT quer contribuir para a retenção e atrair jovens alentejanos ” não só empresas, mas também famílias, de outras partes de Portugal ”e“ da Europa ”.

O Alentejo não deve ser entendido como um “local agradável para passear” ou como uma zona conhecida pela sua gastronomia: “Temos que pensar no Alentejo tecnológico”, defendeu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.