Afinal, a companhia aérea brasileira Azul pode fazer uma oferta para comprar ativos da Avianca Brasil

São Paulo (Reuters) – A companhia aérea brasileira Azul SA registrou-se para participar de um leilão de falência dos ativos da companhia aérea em dificuldades Avianca Brasil, que ocorrerá na próxima semana, e deve voltar atrás em uma decisão anterior de não participar.

Foto de arquivo: Um cliente passa pelas máquinas de check-in da Avianca Airlines no aeroporto de Congonhas em São Paulo, Brasil, 12 de abril de 2019. Reuters / Nacho Doce

A companhia aérea confirmou por meio de seu representante que havia se registrado, embora ele afirmasse não ter sido tomada nenhuma decisão sobre a efetivação da oferta. O leilão de falências deve começar na terça-feira.

A Avianca Brasil pediu concordata em dezembro e vai leiloar alguns dos aeroportos mais disputados, o que dá às companhias aéreas o direito de operar voos a partir dos aeroportos congestionados.

O jornal brasileiro Valor Econômico noticiou pela primeira vez a gravação da Azul na quinta-feira.

A Avianca Brasil, a quarta maior companhia aérea do país, tem enfrentado problemas financeiros nos últimos meses, mantendo-se à tona com empréstimos de suas rivais, que buscam manter a companhia aérea viva até o leilão. Se a Avianca Brasil deixar de operar antes do leilão, também perderá as inaugurações.

Sua frota diminuiu de 60 aeronaves no final do ano passado para menos de 10 no final de abril.

O leilão causou muita tensão entre as três maiores companhias aéreas do Brasil, incluindo a Azul.

O plano inicial era adquirir a Azul para a maioria dos portos do Aeroporto Avianca Brasil em São Paulo e Rio de Janeiro. Mas, algumas semanas depois, seus maiores concorrentes, LATAM Airlines Group e Gol Linhas Aéreas Inteligentes, fecharam um acordo com o maior credor da Avianca Brasil, o fundo de hedge americano Elliott Management, para criar um novo plano que dividiria algumas dessas aberturas entre eles. .

READ  Portugal levanta regras COVID-19 com plano trifásico

A Azul não recebeu essas mudanças, que emprestou à Avianca Brasil 51 milhões de riais (US $ 12,86 milhões) e disse em documentos judiciais na quinta-feira que a empresa em dificuldades já havia inadimplente esta dívida. A Azul disse esta semana que estava deixando o Aber Group do Brasil para as indústrias aeroespaciais, onde era membro ao lado da América Latina e da Goal.

A América Latina e a Jules também emprestaram à Avianca Brasil dezenas de milhões de dólares e prometeram fazer um lance de pelo menos US $ 70 milhões cada no leilão de terça-feira.

A Avianca Brasil é separada da conhecida Avianca Holdings, sediada na Colômbia, que não está sujeita a processos de falência.

(Relatório Marcelo Rochabun) Editado por James Dalglish

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *