Advogados de Felipe Massa pedem indenização pela perda do título de F1 de 2008

Postado em 17 de agosto de 2023 às 11h42 ET

O piloto brasileiro de Fórmula 1 da Ferrari, Felipe Massa, se curva na frente de seu carro depois de vencer a corrida, mas não conseguiu o título do Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 2008 no Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 no Circuito de Interlagos em São Paulo, domingo, 2 de novembro de 2008 (AP Foto/Oliver Multhaup)


Os advogados do ex-piloto da Ferrari, Felipe Massa, iniciaram uma ação legal contra os chefes da Fórmula 1 e a Federação Internacional de Automobilismo, exigindo enormes danos resultantes de uma suposta “conspiração” que o privou do campeonato de 2008.

A mensagem antes da reclamação dizia que o brasileiro, agora com 42 anos, havia sido roubado do título por ações da mais alta ordem que lhe custaram dezenas de milhões de euros em lucros cessantes e bônus.

Ele disse que Massa contratou advogados na Grã-Bretanha, Brasil, Estados Unidos, Suíça e França.

Uma carta de pré-reivindicação é um aviso legal formal exigido antes do início do processo judicial.

Não houve resposta imediata da FIA e da Fórmula 1 a um pedido de comentário da Reuters. A Fórmula 1 está atualmente no final de agosto.

“Simplificando, o Sr. Massa é o legítimo Campeão de Pilotos de 2008, e a Fórmula 1 e a FIA deliberadamente ignoraram a má conduta que o privou deste título”, diz a carta, vista pela Reuters e enviada dos escritórios da Enyo Law em 15 de agosto. .

Massa é incapaz de quantificar totalmente suas perdas nesta fase, mas estima que elas provavelmente chegarão a dezenas de milhões de euros.

“Este valor não cobre as graves perdas morais e reputacionais sofridas pelo Sr. Massa.”

A carta foi endereçada ao CEO da Fórmula 1, Stefano Domenicali, ex-chefe da equipe Ferrari de Massa, e ao presidente da FIA Paris, Mohamed Ben Sulayem.

Ele alertou que, sem uma resposta satisfatória às suas possíveis alegações, Massa pretendia “entrar com uma ação judicial para reivindicar uma indenização pelos danos sofridos, bem como admitir que, se não fosse por essas ações ilegais, ele teria recebido o campeonato de 2008.”

Ele alertou que, na ausência de uma resposta substantiva dentro de 14 dias, os advogados “esperam receber instruções para iniciar um processo judicial nos tribunais ingleses sem aviso prévio”.

PIQUET CRASH

Massa liderava o Grande Prêmio de Cingapura de 2008 quando o companheiro de equipe brasileiro Nelson Piquet bateu seu Renault em uma parede na volta 14 de uma corrida de 61 voltas.

O acidente acionou o safety car e o companheiro de equipe de Piquet, o espanhol Fernando Alonso, que venceu a corrida, aproveitou.

READ  Silva e Conceição recebem telefonema de Portugal antes do Euro 2024

Massa não conseguiu marcar depois de um pitstop malsucedido e acabou sendo derrotado por Lewis Hamilton, da McLaren, por um único ponto no campeonato.

Piquet revelou em 2009 que havia sido convidado a bater pelos chefes da equipe Renault, que foram posteriormente banidos. Apelidado de “Crashgate”, o escândalo se tornou um dos maiores da história do esporte.

Massa procurou aconselhamento jurídico depois que o ex-chefe da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, disse a um site alemão em março que ele e o ex-chefe da FIA, Max Mosley, sabiam na época que Piquet caiu de propósito, mas não agiu.

“Quero justiça. Para entender se o que aconteceu foi certo ou não”, disse Massa à Reuters em maio.

“Se as pessoas mais importantes da F1 e da FIA souberam em 2008 e não fizeram nada, você acha que isso foi justo? Isso não é justo.”

Em entrevista ao www.f1-insider.com, Ecclestone foi citado como tendo dito, na tradução: “Queríamos proteger o esporte e salvá-lo de um grande escândalo”.

“Ainda sinto pena de Massa hoje”, acrescentou. “Ele perdeu o título que merecia, enquanto Hamilton era o melhor do mundo e venceu seu primeiro campeonato.”

Ecclestone, que agora tem 92 anos e foi eliminado da F1 em 2017 depois que a norte-americana Liberty Media assumiu como detentora dos direitos comerciais, não estava imediatamente disponível para confirmar a precisão dos preços.

A carta antes da reclamação dizia que ficou claro na entrevista que “o Sr. Massa foi vítima de uma conspiração perpetrada por indivíduos do mais alto nível da F1 com a FIA ​​e a administração da F1”.

Massa nunca mais venceu depois de 2008, já que o brasileiro sofreu uma lesão quase fatal na cabeça no Grande Prêmio da Hungria de 2009. Ele se aposentou em 2017.

Mosley, que trabalhou de perto com Ecclestone, morreu em 2021, enquanto o diretor de corrida da FIA, Charlie Whiting, outra figura importante, morreu em 2019.

(Reportagem de Rory Carroll e Alan Baldwin; Edição de Ken Ferris)

READ  Antevisão: Estoril Praia vs. Porto - previsões, notícias da equipe, escalações

There was no immediate response from the FIA and Formula One to a Reuters request for comment. Formula One is currently on an August shutdown.

"Simply put, Mr Massa is the rightful 2008 Driver's Champion, and F1 and FIA deliberately ignored the misconduct that cheated him out of that title," said the letter, seen by Reuters, sent from the London offices of Enyo Law on Aug. 15.

"Mr Massa is unable to fully quantify his losses at this stage but estimates that they are likely to exceed tens of millions of Euros.

"This amount does not cover the serious moral and reputational losses suffered by Mr Massa."

The letter was addressed to Formula One chief executive Stefano Domenicali, previously Massa's team boss at Ferrari, and Paris-based FIA president Mohammed Ben Sulayem.

It warned that, without a satisfactory response to his potential claims, Massa intended to "pursue legal action in order to seek compensation for the harm he has suffered as well as recognition that, but for those unlawful acts, he would have been awarded the 2008 Championship."

It warned that in the absence of a substantive reply within 14 days, the lawyers "anticipate being instructed to commence legal proceedings in the English courts without further notice to you."

PIQUET CRASH

Massa was leading the 2008 Singapore Grand Prix when fellow-Brazilian Nelson Piquet crashed his Renault into the wall on lap 14 of the 61-lap race.

The crash triggered the safety car and benefited Piquet's Spanish team mate Fernando Alonso, who won the race.

Massa failed to score after a bungled pitstop and McLaren's Lewis Hamilton eventually beat him by a point for the championship.

Piquet revealed in 2009 that he had been told to crash by Renault team bosses, who were subsequently banned. The scandal, dubbed 'crashgate', became one of the biggest in the sport's history.

Massa sought legal advice after former F1 supremo Bernie Ecclestone told a German website in March that he and former FIA president Max Mosley knew at the time that Piquet crashed deliberately but had not acted.

"I want justice. To understand if what happened was correct or not," Massa told Reuters in May.

"If the most important people from Formula One and the FIA knew in 2008 and didn’t do anything, you think that was fair? It’s not fair."

READ  Liverpool International Tour - lesão de Jordan Henderson, choque em Portugal Jota, Tsimikas, Kelleher

In the interview with www.f1-insider.com Ecclestone was quoted as saying, in translation, that "we wanted to protect the sport and save it from a huge scandal."

"I still feel sorry for Massa today," he added. "He was cheated out of the title he deserved, while Hamilton had all the luck in the world and won his first championship."

Ecclestone, now 92 and ousted as F1 supremo in 2017 after U.S.-based Liberty Media took over as the commercial rights holders, was not immediately available to confirm the quotes were accurate.

The Letter Before Claim said it was clear from the interview that "Mr Massa was the victim of a conspiracy committed by individuals at the highest level of F1 together with the FIA and Formula One Management."

Massa did not win again after 2008, with the Brazilian suffering a near-fatal head injury at the 2009 Hungarian Grand Prix. He retired in 2017.

Mosley, who worked closely with Ecclestone, died in 2021 while FIA race director Charlie Whiting, another key figure, died in 2019.

(Reporting by Rory Carroll and Alan Baldwin; Editing by Ken Ferris)

-->

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *