Abramovich, dono do Chelsea, obtém cidadania portuguesa

LISBOA (Reuters) – O dono do bilionário Roman Abramovich, do clube de futebol Chelsea, tornou-se cidadão português, acrescentando o passaporte de membro da União Europeia a seus passaportes russo e israelense.

Um porta-voz de Abramovich confirmou uma reportagem do jornal português Publico no sábado, que citava documentos do Ministério da Justiça dizendo que o empresário russo obteve a cidadania portuguesa no dia 30 de abril.

O jornal disse que o caso de Abramovich se baseia numa lei portuguesa que concede a cidadania aos descendentes de judeus sefarditas expulsos da Península Ibérica durante a Inquisição medieval.

Registre-se agora para obter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Milhares de judeus israelenses receberam a cidadania portuguesa desde que a lei foi aprovada em 2015. O número desses pedidos aumentou em Portugal desde que uma oferta semelhante de cidadania para judeus sefarditas da Espanha terminou em 2019.

As cadeias genealógicas dos candidatos são verificadas por especialistas que também procuram evidências de interesse na cultura sefardita.

Abramovich doou dinheiro a projetos que homenageiam o legado dos judeus sefarditas portugueses na cidade alemã de Hamburgo, segundo o portal de informação Mazal da comunidade judaica do Porto.

Não há história conhecida de judeus sefarditas na Rússia, embora Abramovich seja um sobrenome comum de ascendência judia asquenazi.

Abramovich fez fortuna, agora estimada em $ 14,3 bilhões de acordo com a revista Forbes, na indústria petrolífera russa na década de 1990 e comprou o Chelsea Football Club em 2003. Ele serviu como governador regional da Rússia de 2000 a 2008 e obteve a cidadania israelense em 2018.

Cerca de 300.000 judeus viviam na Espanha quando, em 1492, os reis Isabel e Fernando ordenaram que eles e os muçulmanos do país se convertessem ao catolicismo ou partissem. Dezenas de milhares fugiram para Portugal, apenas para serem perseguidos ou expulsos em 1496.

(Reportagem de Andre Khleib; Edição de Timothy Heritage)

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.