A Suprema Corte do Brasil decidirá sobre o país-sede da Copa América

São Paulo (AFP) – A Suprema Corte do Brasil marcou uma sessão de emergência na quinta-feira para decidir se permite ou não que a Copa América comece em três dias.

É a última jogada para lançar dúvidas sobre um torneio que perdeu seus anfitriões originais, Colômbia e Argentina, e enfrenta resistência de fãs e jogadores em meio aos preocupantes números do COVID-19 na região.

A presidente da Justiça, Louise Foo, programou na terça-feira a sessão especial para que ele e 10 outros juízes possam votar eletronicamente.

A juíza Carmen Lúcia disse que havia “urgência e importância excepcionais no caso e que requer uma conclusão rápida”.

O caso foi movido pelo Partido Socialista Brasileiro e pelo Sindicato dos Metalúrgicos. O sindicato argumenta que o Brasil não deve organizar eventos esportivos internacionais enquanto o distanciamento social for necessário.

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, é um defensor ferrenho da organização do torneio por seu país, após um pedido de última hora da Confederação Sul-Americana de Futebol CONMEBOL. Ele se manifestou contra as políticas de distanciamento social e afirmou que o impacto econômico dos bloqueios está matando mais do que o vírus. Mais de 474.000 pessoas morreram da doença no Brasil.

Brasil e Venezuela devem abrir a Copa América no Mané Garrincha na noite de domingo na capital, Brasília. Bolsonaro foi convidado a comparecer, mas nenhum torcedor será permitido durante o torneio.

O Partido Socialista Brasileiro afirmou em seu requerimento ao tribunal que “a intensa circulação de visitantes no território nacional irá disseminar claramente o vírus COVID-19 em vários estados, além de permitir potencialmente a entrada de novas variantes”.

O torneio será realizado em três estados, incluindo o densamente povoado Rio de Janeiro, além do Distrito Federal do país, onde Brasília está localizada.

READ  Brasil corre para aprovar uma vacina contra o coronavírus à medida que a pressão aumenta

O Brasil sediou partidas classificatórias da América do Sul para a Copa do Mundo e competições continentais para clubes como a Copa Libertadores e a Copa Sul-Americana.

Na manhã desta terça-feira, o ministro da Saúde, Marcelo Quiroga, defendeu o Brasil como anfitrião da Copa América antes de uma investigação do Senado sobre a forma como o governo federal está lidando com a resposta à pandemia.

“Sem estádios presentes, não correremos o risco de aglomerações e disseminação da infecção”, disse Quiroga. “O risco de uma pessoa contrair o vírus COVID-19 será o mesmo com partidas disputadas dentro ou sem ele. Não estou dizendo que não haverá riscos, estou dizendo que não há riscos adicionais.”

Os jogadores do Brasil devem falar sobre a Copa América ainda na terça-feira, após enfrentar o Paraguai nas eliminatórias para a Copa do Mundo.

___

Mais sobre futebol AP: https://apnews.com/hub/soccer e https://twitter.com/AP_Sports

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *