A seleção norte-americana de futebol enfrenta o Brasil, oferecendo uma declaração estável antes da Copa América

A seleção masculina dos EUA chegou a Orlando à beira da crise. A equipe sairá com o peito estufado e o orgulho saudável, em terreno estável enquanto caminha com confiança rumo ao Campeonato da Copa América.

Isso ocorreu em meio a vaias e pressão após a derrota esmagadora por 5 a 1 para a Colômbia.

A Inglaterra respondeu com uma declaração: empate em 1 a 1 com o Brasil, “um ótimo desempenho para voltar aos trilhos”, como disse o goleiro Matt Turner após a partida.

Não foi a vitória especial que eles desejavam, é claro. Estava longe de ser perfeito, haha 11 defesas para TurnerInterpretações e relatos podem variar. O Brasil acertou o dobro de chutes (25) e quase dobrou as boas chances. O Brasil foi melhor; O Brasil está melhor agora. Isso não mudou.

Mas os Estados Unidos resistiram.

Ela provou a si mesma e ao mundo que o pânico que se seguiu aos acontecimentos na Colômbia pode ter sido um pouco exagerado.

“O que fizemos hoje pode nos colocar em uma situação difícil”, disse Turner na TNT. [Colombia game] para a cama.”

O zagueiro americano Joe Scully, à esquerda, tenta desacelerar o atacante brasileiro Vinicius Junior (7) enquanto ele dirige em direção ao gol durante o primeiro tempo de um amistoso internacional de futebol na quarta-feira, 12 de junho de 2024, em Orlando, Flórida.  (Foto AP/John Raoux)

O zagueiro americano Joe Scully, à esquerda, tenta desacelerar o atacante brasileiro Vinicius Junior (7) enquanto ele dirige em direção ao gol durante o primeiro tempo de um amistoso internacional de futebol na quarta-feira, 12 de junho de 2024, em Orlando, Flórida. (Foto AP/John Raoux)

Está provado novamente Pode A seleção inglesa compete com os melhores times do futebol mundial. Mas o que ele não conseguiu até agora durante os cinco anos em que o técnico Gregg Berhalter esteve no comando foi vencer uma dessas equipes. Mas, assim como aconteceu contra a Inglaterra na Copa do Mundo, a seleção inglesa esteve perto de vencer, e isso foi o suficiente para manter a confiança de que um dia venceria.

READ  Lucas Paquetá é titular do West Ham contra o Chelsea em meio à investigação da FA sobre o meio-campista brasileiro sobre possíveis violações de apostas que impediram sua transferência para o Manchester City

“Sentimos que demos um pequeno passo. Não é um grande passo, mas é um pequeno passo”, disse Berhalter.

Mais importante ainda, foi coletivo.

A partida foi decisiva, não no resultado, mas no tom. A seleção americana desabou contra a Colômbia. E os jogadores estavam a perceber, como disse Chris Richards: “Uma coisa que realmente precisamos de mudar é a nossa mentalidade”. Eles não deixaram dúvidas sobre o que aconteceu na estreia de quarta-feira.

Primeiro, Yunus Musa Agite a barra Com uma explosão de 30 jardas.

Então Christian Pulisic, Capitão América, entrou correndo e disparou um tiro poderoso. Poucos minutos depois, Pulisic derrubou o extremo brasileiro Rafinha, e esta foi a primeira de várias violações violentas que aumentaram o calor da partida.

Pulisic foi o catalisador para os EUA, marcando um gol em uma cobrança de falta inteligente e quase adicionando um segundo após o intervalo, o que teria colocado os EUA na frente.

Mas Turner foi provavelmente o melhor em campo. Suas 11 defesas foram as maiores entre os goleiros da seleção dos EUA desde que Tim Howard fez 16 defesas na Copa do Mundo de 2014 contra a Bélgica. Essas defesas simbolizaram a resposta dos EUA, porque a noite de Turner começou ao mesmo tempo que terminou o fim de semana.

O indiscutível goleiro número 1 da seleção dos Estados Unidos teve um desempenho ruim contra a Colômbia. Ele parecia estar começando a ficar enferrujado depois de passar meia temporada no banco em Nottingham Forest. Depois, aos 17 minutos, com a bola nos pés, escolheu um passe ilógico, que o Brasil interceptou. Segundos depois, Rodrigo o ultrapassou; Os Estados Unidos estavam atrasados; A confiança de Turner parecia ter sido abalada.

READ  Garang Cole insiste que a Copa do Mundo prova que a Austrália desafiará a Argentina e o Brasil no futuro

Nos 70 minutos seguintes, ele conseguiu reconstruir o ataque, tijolo por tijolo, defesa por defesa.

“Ele manteve a calma, o que é o mais importante”, disse Berhalter após a partida.

No geral, a selecção nacional de futebol dos EUA poderia ter entrado em colapso sob o peso do ataque ocasional do Brasil. Rodrygo, Vinicius Junior e depois Indrek eram uma ameaça. Mas Joe Scully se manteve como o segundo ala consecutivo de destaque. Gio Reyna jogou os ombros para os meio-campistas brasileiros enquanto eles passavam a bola. Tim Ream, de 36 anos e muito lento, usou sua inteligência e compostura para derrotar a Seleção Nacional de Futebol dos EUA, mantendo a posse de bola em sua própria área. No geral, de jogadores jovens e velhos, este foi um desempenho maduro.

Com a aproximação do torneio da Copa América, que começa no dia 20 de junho; A primeira partida da seleção norte-americana de futebol será no dia 23 de junho, contra a Bolívia – muitas preocupações permanecem. Ream e Richards pareciam vulneráveis ​​e abalados. Os seis jogadores da defesa muitas vezes tinham posse de bola em áreas perigosas. Anthony Robinson, pelo segundo jogo consecutivo, parecia algo entre a exaustão e a ausência. Já Ricardo Pepe, que começou como atacante, não conseguiu se firmar como titular.

Mas o empate com o Brasil – apenas o segundo placar dos Estados Unidos em 20 encontros entre as duas seleções – foi uma afirmação: que os Estados Unidos, no seu dia, são capazes de enfrentar os gigantes de frente.

Foi um lembrete necessário antes de um grande torneio: “Sabemos que temos uma equipe forte”, disse Scully na TNT. “Sabemos que podemos começar bem.”

READ  Canadense cobra 16.000 euros por um imigrante português

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *