A pior crise de Coronavírus do mundo está se desenrolando no Brasil, onde não parece haver uma solução de trabalho

Mais de um ano depois que uma escalada de vírus desencadeou uma campanha mortal em todo o mundo, a maioria dos países deixou o pior para trás, com a ajuda de políticas governamentais agressivas e vacinas.

Não há nada que ilustre melhor a natureza estranhamente fraturada do Políticas da Covid no Brasil – E como semearam confusão, raiva e sofrimento – mais de três cidades ao longo de uma estrada de 140 quilômetros no interior de São Paulo, onde convivem três abordagens distintas para a epidemia. Em um, praticamente tudo é permitido; Em outros lugares, está completamente fechado; E terceiro, uma vacinação abrangente é realizada. Cada um é uma bagunça, engolfado por doenças galopantes e atolado em um caos econômico profundo, sem sinais de acabar tão cedo.

“O que estamos vivenciando agora é muito pior do que antes”, disse Dennis Jarrett, especialista em doenças infecciosas e vice-presidente do Sabine Vaccine Institute em Washington. “Vejo uma grande tempestade se formando no Brasil.”

São Paulo, o centro financeiro e de riqueza do país, é onde o vírus apareceu pela primeira vez há um ano no Brasil, onde foi transmitido inadvertidamente por esquiadores que voltavam da Espanha, Itália e Estados Unidos, e o vírus se espalhou para ajudar a família e. funcionários.

Araraquara está localizada aproximadamente no centro do estado, a quatro horas de carro da capital, e há muito é abençoada com seu acesso às riquezas. Sua população de 240.000 habitantes recebe três vezes o salário mínimo do país.

Hoje em dia, o trabalho é escasso. Na verdade, tudo é escasso. Araraquara esteve totalmente fechado – até supermercados e postos de gasolina estão fechados – nas últimas duas semanas em resposta a um ataque viral sem paralelo.

Nos primeiros dois meses de 2021, mais pessoas morreram com o vírus na cidade do que em todo o ano de 2020. A maioria dos testes de Covid não são apenas positivos, mas também positivos para a variante brasileira altamente contagiosa que surgiu na cidade amazônica de Manaus. A cepa, que estudos iniciais indicam ser transmissível pelo menos duas vezes, apareceu em mais de 80% das amostras coletadas em uma clínica da cidade de meados de janeiro a meados de fevereiro.

Assim, o prefeito Edenho Silva impôs um bloqueio sem precedentes.

Ele disse: “Você optou por fechar como era na China.” Embora os efeitos demorem a se manifestar nos números, era a única maneira de evitar que a situação piorasse. “Se não fecharmos, teremos pessoas que morrerão sem ter o direito de lutar por suas vidas”.

READ  Rosin (CAS 8050-09-7) tem um valor de mercado de $ 2115,2 milhões até 2026 e deve aumentar a uma taxa composta de crescimento anual de 3,3% de 2020 a 2030 - Relatório exclusivo do Zeal Insider | Hexion, Arizona, Recinas Brasil, Arakawa, Forsheim - King Saud University

A 80 quilômetros de distância, a cidade de Bauru, de 380.000 habitantes, enfrenta uma taxa de infecção devastadora semelhante. Seus leitos de UTI, assim como os de seus vizinhos, estão 100% ocupados. Os pacientes, que costumavam ser idosos, estão agora na casa dos vinte e trinta anos e se saem com mais frequência do que antes.

No entanto, Bauru não fecha as portas. Não por um tiro longo. A prefeita Suellen Rosim estava seguindo os passos do presidente Jair Bolsonaro, chegando a se juntar aos protestos de rua contra o governador do estado para dar ordens de fechamento.

“As pessoas correm riscos, mas não porque são irresponsáveis”, disse o ministro da Saúde da cidade, Orlando Dias. “Eles simplesmente não aguentam mais.” Ele nega que a epidemia esteja no seu pior momento e diz que um município que tem 70% do PIB vinculado ao comércio não pode simplesmente interromper as atividades porque o governador o ordenou.

Por isso a pequena loja de roupas Fernando Christian da cidade não está apenas aberta, as clientes estão tentando se arrumar. Ele diz que o conselho municipal sabe disso. O que ele e outros fornecedores temem é a inspeção do Estado. Quando os representantes estaduais chegam, as lojas são forçadas a fechar.

A 80 quilômetros de Araraquara, Sirana ganhou fama com o vírus de uma forma completamente diferente. A pequena cidade de 46 mil habitantes, onde o vírus era duas vezes mais mortal do que em seus vizinhos, foi escolhida para um estudo que os pesquisadores dizem ser o primeiro do tipo no mundo: a vacinação em massa.

Henrique e Vivienne Ferrera estavam felizes na fila para fazer parte de um grupo muito pequeno de 30 e 40 pessoas no Brasil para serem vacinados. Em outras partes do país, as vacinas estão disponíveis apenas para profissionais de saúde e pessoas com 75 anos de idade ou mais, bem como para grupos prioritários, incluindo aborígenes. O plano de Sirana é vacinar 30 mil pessoas, a maioria na cidade com mais de 18 anos.

O plano, que foi mantido em segredo por vários meses, causou alvoroço quando foi anunciado em fevereiro. Mais de 90% da população cadastrada. Pessoas de fora tentaram comprar ou alugar imóveis, mas o censo evitou o que o prefeito Leo Capitelli chamou de “imigração em massa oportunista”.

Os resultados do teste, esperados para maio, podem dar uma ideia de como os brasileiros ficarão quando as vacinações aumentarem. Especialistas em saúde como Isabella Palalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunização, esperavam que isso acontecesse em breve. Ela diz que o programa de vacinação central do Brasil estava diferenciando o país até mesmo dos países ricos, garantindo acesso rápido e igualitário.

READ  Brasil saúda apelo dos Estados Unidos para negociações de patentes de vacinas

“Podemos vacinar muito mais”, disse ela. “É muito triste ver em que posição chegamos.”

As três cidades incorporam a experiência bastante diversa que a Covid teve no Brasil. As restrições variam de cidade para cidade e costumam ser amenizadas, apenas para serem reimpostas semanas depois – uma combinação de políticas que têm pouca ou nenhuma implementação, reduzindo sua eficácia e prolongando a situação. Os políticos que definem as regras foram pegos evitando suas próprias ordens e muitas vezes disputando publicamente quem é o culpado pela crise.

O raio de esperança proporcionado pela vacinação permanece indefinido. O país tem apenas um punhado de doses em mãos, que não são suficientes para cobrir nem mesmo os grupos prioritários. Jonas Donizette, o ex-prefeito que lidera um caucus de 400 prefeitos, culpa o governo federal por não ter sido vacinado. Ele diz que as cidades estão se preparando para tentar comprá-lo, o que nunca aconteceu antes.

Depois, há a economia. A assistência em dinheiro do governo, que ajudou a conectar mais de 66 milhões de brasileiros no ano passado e até mesmo a reduzir os níveis de pobreza, acabou em dezembro. Enquanto os legisladores discutiam uma nova rodada de ajuda que foi Aprovado apenas esta semanaNa verdade, os dados de vendas no varejo diminuíram, indicando o efeito da eliminação dos chamados vouchers.

Christian, dono de uma loja de roupas em Bauru, está entre os milhões que perderam o emprego durante a primeira onda da pandemia. Depois de ser expulso de uma loja de roupas esportivas, ele abre um food truck com o sogro e é forçado a vender o caminhão, junto com todo o resto, conforme a crise se agrava.

Hoje ele ganha quase metade do que ganhava antes de o vírus se espalhar. Mesmo com sua esposa trazendo dinheiro para assar bolos e vender roupas usadas, não é incomum que a geladeira fique vazia, especialmente agora que a ajuda do governo acabou. É uma preocupação diária: “Se houver um bloqueio, não ganharei nada”, afirma.

A família Ferreras, em Serrana, também viu uma desaceleração em seu trabalho – especialmente em seu trabalho de meio período como fotógrafos de casamento. A vacinação abrangente ainda não se materializou em uma repercussão, embora saber que eles e suas famílias estão mais seguros é aliviar parte do golpe.

READ  Ameaças à independência do banco central

O sentimento de distorção política e aumento de mortes – o Brasil perdeu mais de 260.000 para o vírus, perdendo apenas para os Estados Unidos – está causando ansiedade política.

Nesta semana, governadores estaduais criticaram o governo federal por espalhar informações falsas e “priorizar conflitos, criando imagens do bem contra o mal e minando a cooperação”. Estados de São Paulo a Pernambuco e Rio Grande do Sul aumentaram as restrições nos últimos dias em um esforço para conter o contágio.

Secretários estaduais de saúde emitiram um comunicado pedindo ao governo que reconheça a gravidade da epidemia que está causando o colapso de muitos sistemas de saúde públicos e privados. Ela lamentou a falta de uma política nacional coerente e pediu regras mais rígidas para negócios não essenciais, incluindo a proibição de esportes e atividades religiosas, todas as aulas pessoais e o fechamento de bares e praias. Ele também pediu às autoridades que considerem o fechamento de aeroportos e a suspensão das viagens interestaduais, bem como a imposição de um toque de recolher nacional das 20h às 6h durante a semana e durante todo o dia nos fins de semana.

Enquanto alguns no Ministério da Saúde estão abertos a discutir medidas de âmbito nacional com os governadores, a preocupação é que o próprio Bolsonaro bloqueie qualquer iniciativa, disse uma pessoa a par do assunto.

“Continuaremos a ver um grande número de feridos e mortes por pelo menos três meses, porque não há nada que os impeça de acontecer”, disse Antonio Carlos Bandera, diretor da Associação de Doenças Infecciosas do Brasil. “Não são bloqueios em um lugar ou outro que irão evitá-lo. Você deveria ter coordenado isso há muito tempo.”

Nesta semana, o Brasil também registrou uma seqüência Os registros de morte Do vírus, Bolsonaro deu as boas-vindas aos Aliados para um almoço em Brasília. O grupo em grande parte desmascarado comeu pratos típicos, incluindo feijão com salsicha e couve, além de um porco assado inteiro. No dia seguinte, o presidente se revoltou contra os conservadores para causar pânico na população.

“Você não ficou em casa, não ficou com medo”, disse Bolsonaro a uma multidão de apoiadores na quinta-feira. “Temos que enfrentar nossos medos. Chega de angústia, chega de lamentações. As pessoas vão chorar para sempre?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *