A estagnação econômica é a preocupação número um para as empresas de Cingapura: relatório do Fórum Econômico Mundial

CINGAPURA – Um estudo do Fórum Econômico Mundial (WEF) descobriu que a possibilidade de uma recessão econômica prolongada é a maior preocupação nos próximos dois anos para as empresas de Cingapura.

Suas outras cinco principais preocupações: doenças infecciosas, o estouro da bolha de ativos em grandes economias, o fracasso das medidas de segurança cibernética e o fracasso da ação climática.

Essas foram as conclusões do Relatório Anual de Riscos Globais 2022 do Fórum Econômico Mundial, publicado em parceria com Marsh McLennan, SK Group e Zurich Insurance Group, e consultores acadêmicos, incluindo a Universidade Nacional de Cingapura.

A pesquisa com 124 economias que classificaram uma recessão prolongada como sua preocupação número um incluiu executivos de empresas da Argentina, Chile, Brasil, Finlândia, Japão, Filipinas e África do Sul.

Um executivo de Hong Kong, Nova Zelândia, Suíça e Turquia colocou a preocupação em segundo lugar, enquanto Malásia e Tailândia a colocaram como o terceiro maior risco.

Entre os maiores parceiros comerciais de Cingapura, as empresas na China classificaram eventos climáticos extremos, estouro de bolhas de ativos, doenças infecciosas, colapso ou escassez de sistemas de previdência social e formação geográfica de recursos estratégicos como as cinco principais preocupações.

Nos EUA, as maiores preocupações têm sido estouros de bolhas de ativos, falhas na ação climática, eventos climáticos extremos, crises de dívida e crises de emprego e meios de subsistência.

As preocupações em Cingapura coincidiram com uma pesquisa separada do Fórum Econômico Mundial de analistas e líderes governamentais que descobriu que apenas um em cada seis estava otimista, enquanto apenas um em cada dez acreditava que a recuperação econômica global se aceleraria.

A maioria desses especialistas acredita que a recuperação econômica global será instável e desigual nos próximos três anos.

READ  Cazaquistão e Brasil concordam em aumentar comércio e cooperação econômica

O relatório disse que as consequências econômicas da pandemia são agravadas por desequilíbrios no mercado de trabalho, protecionismo e crescentes lacunas digitais, educacionais e de habilidades que correm o risco de dividir o mundo em caminhos divergentes.

Em alguns países, a rápida implantação de vacinas, transformações digitais bem-sucedidas e novas oportunidades de crescimento podem significar um retorno às tendências pré-pandemia no curto prazo e a possibilidade de uma visão de futuro mais resiliente em um horizonte mais longo.

No entanto, muitos outros países experimentarão baixas taxas de vacinação, estresse severo contínuo nos sistemas de saúde, brechas digitais e mercados de trabalho estagnados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.