A economia brasileira está entrando em colapso na sombra da Covid

“É a nova década perdida, pior do que a dos anos 1980”, diz Claudio Concedera, economista e coordenador do Centro de Contas Nacionais da Fundação Getúlio Vargas.

Após várias décadas de boom econômico, o excesso de petróleo da década de 1980 atormentou o Brasil com uma dívida externa crescente, uma desvalorização maciça da moeda e uma hiperinflação para mais de 200%. Na década seguinte, os brasileiros sofreram com congelamento de salários, preços dos alimentos em alta vertiginosa e prateleiras vazias no mercado.

Após um período de recuperação graças às reformas econômicas e a um governo mais estável e democrático, o Brasil voltou a uma recessão mais longa e profunda de 2014 a 2016 sob o governo da ex-presidente Dilma Rousseff, que sofreu impeachment após o fracasso dos gastos públicos derrubou a economia e alimentou inflação. .

“Desde então não fomos capazes de restaurar o crescimento, então veio a pandemia em 2020 e jogou o Brasil em um cenário pior”, acrescenta Considera.

A eleição de Jair Bolsonaro em 2019 não melhorou a trajetória do Brasil em direção ao crescimento econômico. As reformas econômicas, incluindo a privatização das indústrias estatais e as reformas trabalhistas e previdenciárias, não conseguiram resolver o desemprego e a inflação galopantes.

Então a epidemia atingiu.

Evite restrições “a todo custo”

Desde a chegada da Covid-19 ao Brasil, o governo federal segue uma política de evitar agressivamente as restrições “a todo custo”, na esperança de se livrar da infecção da Covid-19 sem efeitos drásticos sobre a atividade econômica.

Em 15 de maio de 2020, o presidente Bolsonaro deu uma entrevista coletiva na qual declarou que as medidas de bloqueio seriam “um caminho para [economic] sem sucesso. ”

Quase um ano depois, em 23 de fevereiro, ele afirmou que “essa história de fechamento, ‘Vamos fechar tudo’, não é o caminho. Esse é o caminho para o fracasso. Vai quebrar o Brasil.”

Em março, Bolsonaro pediu ao procurador-geral do Brasil que registrasse um pedido na Suprema Corte do país para impedir que governadores e autoridades locais aplicassem o bloqueio. Quando o tribunal rejeitou o caso, Bolsonaro disse a seus partidários que “o caos está chegando. A fome expulsará as pessoas de suas casas e teremos problemas que não esperávamos que ocorressem, problemas sociais muito sérios”.

READ  Brasil arrecada US $ 600 milhões em mega leilão de franquia de aeroporto

Na verdade, muitos brasileiros enfrentaram terríveis consequências econômicas devido à pandemia. Nelza Maria da Silva foi uma delas. Morando na favela de Paraisópolis, no sul de São Paulo, essa mulher de 45 anos perdeu o emprego de faxineira assim que a pandemia começou.

Covid-19 causou uma em cada três mortes no Brasil até agora este ano

“Meu chefe tinha medo da Covid-19, ninguém me queria dentro de casa e não sobrou nada para mim”, disse Silva, mãe de quatro filhos.

Mais de 8,1 milhões de pessoas perderam o emprego no Brasil entre janeiro de 2020 e janeiro de 2021. A taxa de desemprego no Brasil atingiu 14,7% da população em idade ativa, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a maior taxa de desemprego desde o início do ISI em 2012.

Mas muitos especialistas dizem que a economia já foi prejudicada pelo fato de o coronavírus ter se espalhado descontroladamente – e eles acreditam que o governo de Bolsonaro poderia ter evitado parte da dor econômica fazendo um esforço maior para deter o vírus.

A negação do governo, a recusa em adotar medidas de bloqueio e a não obtenção de estoques de vacinas precoces criaram uma perigosa sensação de incerteza na economia, diz Thomas Conte, economista da Inspire e comunicador científico da InfoCovid, grupo que trabalha para divulgar informações científicas.

“Quando ocorre uma pandemia dessa magnitude, a economia sofre um golpe, mesmo que nada feche. As pessoas são afetadas por riscos. E quando as pessoas percebem que estão em risco, podem perder suas vidas ou a vida de pessoas próximas a eles mudam hábitos, evitam se expor, não importa quais ações sejam tomadas ”, disse Conti.

“O papel do governo em tal situação é tentar controlar ou mitigar os riscos, mas decidiu não fazer nada para combater a pandemia como se ela fosse desaparecer magicamente. Isso criou um sentimento de incerteza, insegurança e imprevisibilidade. Isso representa um grande risco para os empreendedores. Faz com que as empresas demitam funcionários, reduzam os gastos das pessoas para economizar e interrompam os investimentos. “

Ajuda, mas não o suficiente

Em resposta à crise do mercado de trabalho durante a pandemia, a principal política pública adotada pelo governo brasileiro tem sido o atendimento emergencial.

READ  Vamos repassar para os alunos! A 2021 Highpoint Virtual Academy está pronta para dominar o mundo

O governo federal ofereceu uma linha de crédito para pequenas empresas afetadas pela pandemia, embora a assistência tenha atingido apenas uma pequena parte das empresas brasileiras, e oferecer empréstimos em vez de doações era muito arriscado para muitos empresários. Como resultado, dezenas de milhares de lojas de varejo fecharam em 2020.

Bolsonaro no Brasil enfrenta investigação governamental sobre como lidar com Covid-19

O Congresso também aprovou a assistência emergencial exigindo apoio governamental para os indivíduos mais atingidos pela pandemia, com um programa de cinco parcelas mensais equivalentes a US $ 110 por beneficiário elegível entre abril e agosto de 2020 e quatro parcelas de US $ 50 entre setembro e dezembro.

Quase 70 milhões de brasileiros já foram beneficiados pelo programa, segundo o Ministério da Economia.

Da Silva diz que a ajuda do governo foi suficiente para sua família ganhar a vida em 2020. No entanto, a ajuda do governo diminuiu desde 2021 e ela dependia dos vizinhos e de associações locais para seu sustento.

“Não passei fome porque a comunidade de Paraisópolis é muito organizada e me ajudou com a comida, porque está tudo tão caro agora. Mas eu não tinha dinheiro para comprar gás de cozinha e precisava usar lenha para cozinhar”, disse.

E nem toda comunidade no Brasil é tão benéfica quanto Paraisópolis. Pesquisa da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional constatou que mais da metade da população brasileira – 116 milhões de pessoas – não teve acesso pleno e sustentável aos alimentos no ano passado.

Um hospital de campanha para Covid-19 foi instalado no Complexo Esportivo Pedro del Antonia em 17 de maio de 2021 em Santo André, Brasil.

Negócios evitam abordagem de Bolsonaro

Hoje, até o setor financeiro, que apoia Bolsonaro desde o início de seu governo, está cansado de sua abordagem. Em carta assinada por mais de 1.500 economistas, banqueiros, empresários e ex-ministros, eles criticaram a resposta do governo à pandemia e destacaram a necessidade de conter o vírus para salvar a economia brasileira.

“Essa estagnação, bem como suas consequências sociais adversas, não serão superadas até que a epidemia seja controlada por meio de ação competente do governo federal. Este governo tem explorado ou feito mau uso dos recursos à sua disposição, inclusive ignorando ou negligenciando as evidências científicas na concepção Ações para lidar com a pandemia ”, diz a carta, que pede vacinações mais rápidas, mais uso de máscaras, ajuda econômica e paralisação nacional, se necessário.

O Brasil ainda ocupa o segundo lugar em mortes por Covid-19 entre os países em todo o mundo. Embora a taxa de mortalidade diária tenha caído de seu pico de 4.000 mortes diárias para quase 2,00, os casos e mortes estão aumentando lentamente novamente. O alto número de infecções em 2021 levou ao colapso do sistema de saúde em todos os 27 estados brasileiros, apenas 9,2% da população foi totalmente imunizada.

Muitas autoridades estaduais e locais rejeitaram a abordagem de “laissez-faire” do governo federal. As secretarias estaduais de saúde estabeleceram comitês de crise e fases de restrições associadas às taxas de infecção e à capacidade dos leitos de terapia intensiva. No Nordeste do país, uma das regiões mais pobres do Brasil, os governadores criaram um sindicato para negociar a compra das vacinas eles próprios.

READ  O rio argentino, que transporta a soja para o mundo, seca

Mas Bolsonaro criticou aqueles que se opuseram aos planos do governo federal, culpando suas restrições pelo colapso econômico contínuo do país. Enquanto isso, ele pediu aos brasileiros que resistam às medidas de contenção da epidemia, como regras locais para ficar em casa. Em março, durante a cerimônia de abertura da ferrovia, Bolsonaro disse à multidão: “Pare de ser afeminado e choramingar.”

Com o aumento das vacinações em todo o mundo, a economia global está se recuperando lentamente. Mas o bem-estar econômico do Brasil permanece, pelo menos em parte, interligado com sua crise de saúde em curso, com altas taxas de transmissão local, novas variáveis ​​aumentando e vacinações em um ritmo lento.

“Não temos ideia do que vai acontecer. Mas sabemos que devemos pelo menos vacinar as pessoas para que possamos começar a viver uma vida normal”, disse a economista Considera à CNN. “Aí poderemos calcular os impactos totais. Mas para que isso aconteça, é preciso haver um líder que nos leve nessa direção e que faça o mínimo possível para combater a pandemia”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *