A coalizão liderada pelos sauditas ataca o aeroporto de Sanaa, no Iêmen

(Reuters) – A coalizão liderada pelos sauditas no Iêmen disse na segunda-feira que realizou ataques aéreos no que descreveu como alvos militares no Aeroporto Internacional de Sanaa, no Iêmen, enquanto drones lançavam ataques aéreos contra alvos sauditas.

A capital iemenita está sob o controle do movimento Houthi, alinhado ao Irã, que luta contra a coalizão há sete anos.

Durante o conflito que matou dezenas de milhares e deixou milhões de desabrigados, as forças Houthi enviaram drones e dispararam mísseis contra a Arábia Saudita, e a coalizão liderada pelos sauditas respondeu com ataques aéreos dentro do Iêmen.

Registre-se agora para obter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

A coalizão disse que os ataques de terça-feira atingiram seis locais, incluindo locais usados ​​para lançar ataques de drones, treinar pessoal com drones, treinadores e estagiários, e drones de armazenamento.

A agência disse que pediu a civis que evacuassem o aeroporto antes do ataque, de acordo com um comunicado divulgado pela mídia saudita.

O aeroporto está fechado para voos civis desde 2015, embora aviões da ONU tenham permissão para pousar lá.

Um porta-voz do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas disse que uma equipe das Nações Unidas estava no aeroporto para verificar a extensão dos danos.

A mídia Saba, dirigida por Houthi, citando o chefe da autoridade de aviação do governo Houthi, disse que o aeroporto havia parado de funcionar.

Mas o porta-voz da coalizão, brigadeiro-general Turki al-Maliki, disse que os ataques não teriam impacto na capacidade operacional, gerenciamento do espaço aéreo, tráfego aéreo ou operações de manuseio em terra.

Ele disse que a coalizão removeu a proteção de locais específicos no aeroporto, que ele disse serem usados ​​para fins militares, e que a operação foi realizada de acordo com o Direito Internacional Humanitário.

READ  China Covid-19: pessoas não vacinadas em partes do país tiveram acesso negado a hospitais, parques e escolas

“A operação é uma resposta a ameaças e ao uso de instalações aeroportuárias para lançar ataques transfronteiriços”, acrescentou.

No domingo, a coalizão disse que destruiu um drone que decolou do aeroporto e teve como alvo o Aeroporto King Abdullah em Jizan, perto da fronteira com o Iêmen. Também disse que bombardeou as oficinas dos drones na cidade de Sanaa. Consulte Mais informação

A coalizão interveio no Iêmen em 2015 depois que os Houthis expulsaram o governo internacionalmente reconhecido de Sanaa.

Registre-se agora para obter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

(Cobertura de Naira Abdullah, Omar Fahmy, Moataz Mohamed e Lisa Barrington). Edição de John Stonestreet

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *