A bilionária Claire expande o império da moda rápida de Shane no Brasil

A gigante da moda rápida Shein vem aumentando rapidamente a produção no Brasil, com 100 fábricas já produzindo para a varejista online desde que anunciou planos de investir US$ 148 milhões na região há um mês.

Isso faz parte de um plano maior para expandir a produção fora da China e abraçar o rápido crescimento na América Latina, disse Marcelo Clore, presidente regional e acionista da Xin.

“Eu invisto em empresas que posso ajudar”, disse Cleure em entrevista à Bloomberg News. “A Shein se encaixava no perfil do tipo de empresa que eu procurava, que era uma empresa global, uma empresa muito mutável.”

A Shein, que atualmente fabrica quase todos os seus produtos na China, mas não vende quase nenhum para clientes chineses, está procurando localizar a produção em regiões de rápido crescimento para reduzir os custos de distribuição e acelerar os prazos de entrega. A empresa disse em abril que faria parceria com 2.000 fábricas têxteis brasileiras nos próximos cinco anos e anunciou planos semelhantes na Índia e na Turquia.

“A América Latina tem uma parte importante na receita da Shein. É definitivamente uma das regiões que mais cresce no mundo”, disse Clore, que investiu US$ 100 milhões na empresa, destacando que a Shein é um dos aplicativos mais baixados no Brasil.

Clore, de 52 anos, atuou como vice-presidente do fundador do SoftBank, Masayoshi Son, até janeiro de 2022, quando deixou a empresa de investimentos japonesa devido a uma disputa de remuneração. Como diretor de operações do SoftBank, ele liderou esforços de recuperação em vários investimentos do Vision Fund da empresa, incluindo Sprint e agora T-Mobile US Inc. e WeWork.

Clore nasceu na Guatemala, filha de pais bolivianos, e mudou-se para os Estados Unidos para fazer faculdade em Massachusetts. Depois de se formar, ele teve a oportunidade de comprar uma loja de celulares para a Brightstar, uma fornecedora global de equipamentos de telecomunicações que vendeu para a SoftBank há uma década.

Desde sua separação de Son, Claure vem buscando negócios por meio do escritório de sua família, o Claure Group. Ele abriu uma divisão dentro dela no ano passado, a Claure Capital, focada em investimentos públicos e privados.

O Grupo Clore, que tem US$ 3,3 bilhões sob gestão, investirá em empresas latino-americanas que estão “revolucionando os modelos de negócios tradicionais”, disse Clore. Ele disse que a Shein, com sede em Cingapura, foi o primeiro grande investimento de Claure após sua separação com o SoftBank.

Embora a Shein tenha sido elogiada por seu modelo de negócios de rápido crescimento, também enfrentou escrutínio por más condições de fábrica e uma grande pegada de carbono. Clore disse que fez uma viagem de duas semanas à China antes de investir em Xin para conversar com trabalhadores e visitar fábricas que terceirizam a produção. Ele acrescentou que Xin “faz regras muito claras” sobre salários, mão de obra e fontes de materiais e que o Brasil vai replicar o modelo usado na China.

“Foi reconfortante ver que as pessoas estavam felizes com Shane”, disse Clore.

Saber mais:

Relatório: Shein levanta US $ 2 bilhões com avaliação mais baixa

De acordo com o Wall Street Journal, a última rodada de financiamento da gigante chinesa da moda coloca a empresa em dois terços de sua avaliação de US$ 100 bilhões no ano passado.

READ  Guedes condena guerra na Ucrânia, mas se opõe a sanções econômicas contra a Rússia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *