A América Latina corre o risco de voltar ao seu antigo normal

Tgrande felicidade A preocupação com a América Latina em 2022 retornará ao “velho normal” à medida que a pandemia diminuir. Isso incluía estagnação econômica, descontentamento social e um descrédito da política democrática. Esses males, causados ​​pela pandemia, levaram à ira popular em muitos países em 2021. Isso foi mitigado em parte pela ajuda de emergência e estímulos fiscais e monetários. Como resultado, em 2021, a região recuperará grande parte da produção econômica que perdeu em 2020. Em 2022, a recuperação vai desacelerar: o aumento da inflação levou os bancos centrais a aumentar as taxas de juros, enquanto muitos governos exauriram sua força fiscal limitada. O resultado é que a economia latino-americana, como um todo, terá a sorte de crescer mais de 3% em 2022.

A falta de cargos foi a marca registrada das últimas eleições na América Latina. É provável que esse continue sendo o caso no Brasil. A grande questão é se a raiva começará a dar lugar a um foco mais realista nos fundamentos do crescimento econômico e da proteção social. Chile e Colômbia apresentarão os principais testes para isso em 2022.

O Chile enfrenta um ano complexo. A eleição presidencial programada para o final de 2021 está em aberto. O resultado mais provável é o segundo turno entre Gabriel Boric da extrema direita e Jose Antonio Elenco da extrema direita. O novo presidente e o Congresso inicialmente viveriam com um acordo para redigir uma nova constituição, com a qual os políticos concordaram depois que uma explosão social no final de 2019 questionou em que uma economia de livre mercado havia sido bem-sucedida. A extrema esquerda se saiu inesperadamente bem ao eleger os 155 membros do Congresso. A conferência tem até julho para aprovar um novo projeto constitucional, que será submetido a referendo. É quase certo que isso forçará mais serviços governamentais de saúde e previdência, que podem oferecer o modelo para o novo contrato social que muitos latino-americanos anseiam. A nova carta também pode incluir uma virada mais decisiva para a esquerda, com limites para a mineração e uma lista cara de direitos sociais. Mas é possível que um amplo grupo de negociadores possa elaborar um texto que combine direitos e responsabilidades financeiras.

READ  A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho pede um aumento urgente nas vacinações, intervenções de saúde e apoio econômico, visto que a epidemia continua a se espalhar nas Américas

Latino-americanos querem mais gastos com saúde e serviços públicos

O centro político na América Latina foi corroído nas últimas eleições pela polarização. As eleições de maio da Colômbia podem levar ao seu renascimento, desde que se une em torno de um candidato. Há dois fortes candidatos: Sergio Fajardo, o ex-prefeito de Medellín que deu início à reforma da cidade e por pouco perdeu o segundo turno na eleição presidencial anterior em 2018, e Alejandro Gaviria, o bem-sucedido economista, escritor e ex-ministro da Saúde e do Câncer. Um sobrevivente que tem uma história convincente para contar. Quem vencer as primárias marcadas para março enfrentará Gustavo Petro, esquerdista populista. Surpreendentemente, ele será o primeiro presidente de esquerda da Colômbia. A direita pode desaparecer após a decepcionante presidência de Evan Duque.

A Costa Rica também tem eleições em fevereiro, com segundo turno em maio. De uma praça lotada, isso poderia colocar José Maria Figueres, um ex-presidente de centro, contra Fabricio Alvarado, um pastor evangélico e populista conservador. Para continuar sendo uma das histórias de sucesso silenciosas da região, ela precisa aumentar os impostos e, ao mesmo tempo, reformar o estado para tornar os gastos mais eficientes.

Isso se aplica à região como um todo. Os latino-americanos querem mais gastos com saúde e serviços públicos em geral. Mas o maior déficit dos últimos dois anos empurrou a dívida pública da região para mais de 70% do PIB. À medida que as taxas de juros começam a subir, o serviço fica mais caro. No entanto, o aumento de impostos é politicamente arriscado, especialmente porque a região precisa urgentemente fornecer incentivos para o atraso do investimento privado.

Não conseguindo atingir esse equilíbrio infernal, a democracia ameaça ser vítima de uma tirania crescente, há muito arraigada em Cuba, Nicarágua e Venezuela. Em 2021, Neb Bukele, o famoso jovem presidente de El Salvador, tornou-se o último líder eleito a estabelecer um regime autoritário, assumir o controle do judiciário, perseguir jornalistas independentes e autorizar sua reeleição para um segundo mandato. Até agora, esses quatro países são exceções. Mas isso pode mudar, especialmente se Jair Bolsonaro conseguir sabotar as eleições brasileiras de 2022 e se Andres Manuel Lopez Obrador no México usar sua potencial vitória em um referendo de desconfiança para intensificar seu cerco ao poder eleitoral independente e aos tribunais. As pesquisas de opinião continuam mostrando uma erosão constante e alarmante do apoio à democracia na América Latina. Os democratas foram avisados.

READ  O comércio eletrônico nos Emirados Árabes Unidos está impulsionando a demanda por depósitos

Michael Reed: colunista abaixo, The Economist

Este artigo foi publicado na seção Américas da edição impressa de The World Ahead 2022 com o título “O Teste de Democracia na América Latina”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *